FAZ SENTIDO DEFENDER A DIVERSIDADE GENÉTICA?

NATURE (INATO) VS. NURTURE (ADQUIRIDO): RAÇA, QI E GENÉTICA

IGUALDADE E DIVERSIDADE

PONTES, J.

INTRODUÇÃO: FAZ SENTIDO DEFENDER A DIVERSIDADE GENÉTICA?

«O bosque seria muito triste se só cantassem os pássaros que cantam melhor.»

Rabindranath Tagore, s/n

O debate do inato vs adquirido tem sido ubíquo na história das ciências do comportamento, sendo que as abordagens das ciências sociais e das ciências biológicas ao estudo do comportamento têm sido quase mutuamente exclusivas. Todavia, um número crescente de trabalhos, sobretudo na área de psicologia e neurologia, têm vindo a documentar o efeito primordial de factores genéticos (face a ambientais) na demarcação da raça, personalidade, comportamento e QI (quociente de inteligência). Tais resultados sugerem que os efeitos de factores sociais na expressão do comportamento e da personalidade devem ter como base processos biológicos, i. e. explicações genéticas. Os estudos de adopção trans-racial (em que crianças de uma determinada raça são adoptados e educados por pais de outra raça), os estudos sobre a regressão para o nível médio (que compara pais e irmãos de grupos raciais diferentes) e os estudos sobre a influência da depressão consanguínea (que estudam os filhos de pais aparentados entre si por laços de sangue) fornecem a prova de que os genes são responsáveis pelas diferenças entre as raças, em termos de QI, personalidade, atitudes e outros comportamentos, nos quais desempenham um papel determinante. Na sua maioria, estes estudos convergem na ideia segundo a qual «the Brain size matters» (Rushton, J. P., & Ankney, C. D., 1996), ou seja, a dimensão do cérebro faz toda a diferença, pois as divergências nas capacidades cognitivas estão directamente correlacionadas com as diferenças de dimensão do cérebro, a idade, o sexo, a classe social e a raça (Rusthon, J. P., & Ankney, C. D., 1996; Penke, Denissen, Miller, 2007).

Encontra-se perfeitamente estabelecido, pelas ciências do comportamento, que de que existe uma grande variabilidade dentro de cada grupo racial, bem como notórias diferenças médias na dimensão do cérebro e na capacidade cognitiva (QI) entre as raças (Lynn, R., & Vanhanen, 2002; Jensen & Rusthon, 1988). Aliás, existe um consenso ético universal de que nós tratamos as pessoas como indivíduos. No entanto, certos grupos de opinião muito activos nos meios académicos e de comunicação social proíbem, pura e simplesmente o público de participar numa discussão franca sobre o assunto. Para muitos, é inquietante que o facto de se mencionar que as raças diferem possa levar à criação de estereótipos e limitar a igualdade na consideração de interesses e oportunidades.

Um dos desafios que se coloca é o seguinte: ‘Suponhamos que se revela que um determinado grupo étnico (raça X) tem um QI médio superior ao de outro (raça y) e que esta diferença se deve, em parte, a factores genéticos. Asserção: x é geneticamente superior em QI a y.’ Será isto racismo defensável? Teremos, por isso, que rejeitar o princípio da igualdade? Ou será apenas a prova científica do quanto rico e diversificado o potencial genético humano é, e a sua importância na consideração da igualdade de interesses?

Alguns comentadores lidam com a natureza provocatória destas pesquisas (Helfrich:’provocate paper’; B. Spinath: ‘explosive potential’), mas serão este género de investigações especialmente provocantes ou, pelo contrário, importantes pesquisas sociais e culturais, provocativas devido ao impacto que provocam nos ‘interesses’ e filosofias de vida? Outros autores levantaram questões acerca das consequências étnicas e políticas da investigação da inteligência a nível nacional (Allik, Asendorpf, F. Spinath), tais como: qual é o valor científico de mapas-mundo (mapas mundi) com as diferenças de QI? Qual é o objectivo de figuras a ilustrarem as correlações negativas entre as capacidades cognitivas a nível nacional?

Antes de existirem quaisquer testes de inteligência e comportamento, filósofos (Aristóteles, Voltaire, D. Hume), investigadores (Broca, Darwin, Galton), assim como todos os fundadores da teoria da evolução e antropologia acreditavam na existência de uma ligação entre raça, inteligência e realizações culturais. Até Freud acreditava que existiam diferenças raciais até certo ponto. Hoje, um vasto conjunto de investigações científicas comprova aquilo em que anteriormente apenas podíamos acreditar: a raça é, efectivamente, «mais do que uma questão de pele» (Rushton, J. P., 2000), é uma realidade biológica com implicações na ciência e na vida quotidiana social (Herrnstein & Murray, 1994; Jensen, A. R., 1998; Lynn, R., & Mikk, J., 2007); por isso, qualquer investigação que envolva estudos comparativos entre raças não deve, em momento algum, ser menosprezada.

Este artigo pretende esclarecer que o reconhecimento da diferença racial e das discrepâncias a ela coligadas não é fruto de racismo, xenofobia ou de uma qualquer tentativa de menorizar a igualdade inerente a cada ser humano, mas de um elucidado reconhecimento da existência de diversidade/pluralidade genética – uma das maiores riquezas da humanidade. Tendo como base uma quantidade razoável de estudos acerca das diferenças raciais, acredito ser possível defender a diversidade genética, sem agredir ética e psicologicamente a sociedade e que a abolição da utilização do termo «raça» não tem quaisquer repercussões nos defensores do racismo – pelo contrário. O reconhecimento da diversidade racial abre a possibilidade de aprofundar o estudo da raça na sua completude, i. e. de conhecermos melhor quais são os seus anseios, virtudes, fraquezas, forças, etc., que nos permitirão responder de forma mais eficaz às suas carências, pois só quando considerarmos os genes e o ambiente em conjunto é que estaremos aptos a compreender a complexidade dos problemas humanos, e é só com esse conhecimento que a sociedade poderá tentar resolvê-los. O primeiro passo implica, assim, honestidade intelectual acerca das raças, da sua evolução e comportamento (desprovidos de ‘tabus’) para podermos progredir no sentido de uma sociedade mais esclarecida, humanizante e preparada para superar as adversidades na diversidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: